A crise paquistanesa e os seus possíveis impactos geopolíticos na Ásia.


Figura disponível em: https://cdn.vox-cdn.com/thumbor/BaQiCdapW-Qlp3CRKhcEbfXYVIg=/0x0:3600x2400/1200x800/filters:focal(1464x657:2040x1233)/cdn.vox-cdn.com/uploads/chorus_image/image/70729775/GettyImages_1239685272.0.jpg

Desde o início de abril deste ano, o Paquistão vem enfrentando uma crise política interna de grandes proporções, em que o Primeiro-Ministro, eleito em 2018, Imran Khan perdeu as condições políticas para governar o país, pois teve uma moção de perda de confiança aprovada, sendo a primeira vez que isso acontece com um governante paquistanês. Assim, o parlamento paquistanês colocou duas opções para Khan: renunciar ou esperar ser derrubado.

Nesse sentido, o governo de Khan terminou neste domingo, 10 de abril. As suas primeiras palavras após a sua deposição foram de acusação sobre uma conspiração estrangeira para derrubá-lo:


“Pakistan became an independent state in 1947, but today is the beginning of a renewed struggle for independence against an external conspiracy to change power. It is always the people of a country who protect and defend their sovereignty and democracy.” (fonte: https://www.news18.com/news/world/pakistan-crisis-live-updates-imran-khan-pti-shehbaz-sharif-no-confidence-motion-livenews-4959617.html)


É digno de nota que após a independência do Paquistão, nenhum Primeiro-Ministro eleito democraticamente conseguiu terminar o mandato de 5 anos, conforme podemos ver abaixo:

Figura disponível em: https://www.aljazeera.com/wp-content/uploads/2022/04/INTERACTIVE_IMRAN_KHAN_GOVERNMENT8-01.jpg?w=770&resize=770%2C770

Os motivos oficiais alegados pela oposição seriam devido ao fracasso do atual governo em recuperar a economia e de uma má condução da política externa do país, bem como por não ter resolvido o problema da corrupção. Convém, mencionar que essas eram algumas das bandeiras eleitorais de Khan, quando disputou a eleição.

Outrossim, ele alega que trata-se de uma conspiração estadunidense com a oposição para derrubá-lo do poder, e com isso tenta mobilizar os seus apoiadores contra a sua queda, inclusive insuflando-os a realizarem protestos massivos pelo país e de criar uma opinião contra o mundo ocidental, representado pelos EUA e os seus aliados europeus.

É digno de nota que Khan, em seu mandato, aproximou bastante o país da China, e se afastou um pouco da influência do Ocidente, principalmente quando Biden assumiu o poder nos EUA. Não podemos esquecer que os EUA sempre tentaram estar presentes na vida política paquistanesa, notadamente durante o período da Guerra ao Terror, iniciada em 2001.

Interessa pontuar que o poder militar paquistanês possui grande influência na estabilidade política desse país, e que, de acordo com vários analistas, Khan perdeu o apoio militar que estaria descontente com as suas decisões políticas, dentre elas a de se afastar de Washington. Ademais, conforme algumas fontes, os militares paquistaneses teriam preferência pelo equipamento militar estadunidense, em detrimento do chinês, que a princípio possui um maior custo de manutenção e menor qualidade.

Nesse quadro, está prevista uma nova eleição para o cargo de Primeiro-Ministro na segunda-feira, dia 11 de abril.

Cabe mencionar que o Paquistão por ser uma potência nuclear, bem como por possuir uma disputa histórica com a Índia, que é outro país nuclearizado, vem sendo acompanhado pelo Blog, como podemos ver nos artigos que estão na Seção Ásia. Porém, selecionamos os abaixo como uma sugestão de releitura para o leitor:

- "Balochistão: preocupação sino-paquistanesa", disponível em https://www.atitoxavier.com/post/balochistão-preocupação-sino-paquistanesa;

- "Seção Inteligência: o serviço de inteligência paquistanês e sua ligação com o Talibã", acessível em https://www.atitoxavier.com/post/seção-inteligência-o-serviço-de-inteligência-paquistanês-e-sua-ligação-com-o-talibã ; e

- "Problemática da Caxemira: tensão diária", que pode ser lido em https://www.atitoxavier.com/post/problemática-da-caxemira-tensão-diária .

Nesse cenário, apresentamos a nossa análise em relação aos possíveis impactos geopolíticos dessa crise junto aos países relacionados abaixo, que acreditamos que serão os mais impactados:


- Índia: a queda de Khan pode abrir uma nova relação mais positiva com os indianos, pois o Paquistão estava a cada dia estreitando laços com a China, que é um dos principais adversários da Índia, e que já analisamos no Blog, como os artigos "Choque de Titãs - China x Índia. Partes I e II", disponíveis respectivamente em https://www.atitoxavier.com/post/choque-de-titãs-china-x-índia e https://www.atitoxavier.com/post/choque-de-titãs-china-x-índia-parte-ii. Dessa forma, o governo de Nova Delhi com certeza acompanhará com atenção a sucessão no Paquistão;


- China: poderá perder um aliado importante contra a Índia, bem como poderá ter o seu projeto econômico da nova rota da seda impactado com um novo governo que seja alinhado aos EUA. Dessa forma, o China-Pakistan Economic Corridor - CPEC poderá adquirir uma menor prioridade pelo lado paquistanês. Outrossim, é importante falar que o Paquistão possui uma grande dívida financeira com o governo chinês, muito devido a esse projeto, onde cerca de 25% dos empréstimos estrangeiros têm origem na China. Portanto, em nossa visão, a China acompanha com apreensão essa troca de poder;


- EUA: não restam dúvidas de que a saída de Khan é vista como positiva para os estadunidenses, devido a relação de proximidade com a China, ainda mais quando o governo de Pequim é o principal adversário dos EUA, e que vem tentando aumentar a sua influência na região do Indo-Pacífico. O Blog acredita que pode ter ocorrido alguma influência política e militar dos EUA, com o intuito de atingir os seus objetivos geopolíticos, junto à oposição, e em especial aos militares, visando não interferirem na crise política em favor de Khan. Logo, acreditamos que os EUA tentarão usar a sua influência com o intuito de ajudar a eleger alguém que lhes sejam favoráveis;


- Afeganistão: o Paquistão desempenha um papel importante junto ao Afeganistão, principalmente a partir do surgimento do Talibã. Conforme o Blog vem analisando, tem ocorrido uma aproximação da China e da Rússia com o atual governo afegão, e o Paquistão sempre foi relevante como um ator facilitador na aproximação de países com o Talibã, bem como teve importância fundamental para esse grupo tanto na ocupação soviética, quanto na ocupação estadunidense, conforme podemos ver no nosso artigo "Emirado Islâmico do Afeganistão: fator de instabilidade regional?", disponível em https://www.atitoxavier.com/post/emirado-islâmico-do-afeganistão-fator-de-instabilidade-regional . Assim, é importante verificar se o novo governo paquistanês continuará facilitando a aproximação sino-russa com o atual governo afegão; e


- Rússia: o governo paquistanês na gestão Khan aproximou-se de Putin, ainda mais com a saída dos EUA do Afeganistão, pois via que tanto a China quanto a Rússia poderiam ser aliados estratégicos na segurança e na estabilidade nas regiões Central e Sul da Ásia. Ademais, Khan tinha a intenção de construir um gasoduto com os russos. Além disso, o Paquistão adquiriu armamento russo, bem como aproximou-se militarmente de Moscou. No conflito da Rússia com a Ucrânia, o governo de Khan fez várias críticas à União Europeia em relação a pressão sofrida para condenar as ações russas. Assim, um novo governo mais alinhado aos ocidentais não será um bom negócio para os russos, que estavam tendo o Paquistão como um mercado sem a influência dos EUA.


O Blog é de opinião de que existe uma grande possibilidade do novo governo paquistanês ser mais alinhado aos ocidentais, o que seria muito negativo para a China, bem como para a Rússia, ainda mais quando esta vem sofrendo duras sanções econômicas e ficando cada vez mais isolada internacionalmente.

Nesse diapasão, será fundamental observar o movimento dos militares paquistaneses, ou seja, quem irão apoiar.

Qual a sua opinião?

Seguem os vídeos com o intuito de auxiliar em nossa análise:

Matéria de 09/04/2022:

Matéria de 10/04/2022:

Matéria de 09/04/2022:

Matéria de 09/04/2022:

Matéria de 04/04/2022:

Matéria de 10/04/2022: