Seção Inteligência: O Brasil está preparado para ataque cibernético aos seus programas estratégicos?


Existe uma nova modalidade de guerra com inimigos invisíveis que podem ser governos ou atores não estatais (grupos terroristas, crime organizado etc), onde não são disparados nenhum armamento, e que tem sido considerada uma das principais ameaças a segurança nacional dos Estados, ela é conhecida como guerra cibernética (cyberwarfare).

Um bom exemplo sobre a guerra cibernética foi o vírus stuxnet que foi projetado para sabotar o programa nuclear do Irã, obtendo sucesso. Existe especulações que teria sido criado por Israel.

Como vivemos na era digital, vários países criaram estruturas de defesa cibernética, com possibilidade de realizar ataques, com o intuito de proteger os seus setores estratégicos, bem como de atingir os seus interesses nacionais. Porém, sempre cabe lembrar que o elo mais fraco sempre será o ser humano, como colocamos na primeira postagem da seção inteligência.

Em breve, haverá uma nova revolução digital com a tecnologia 5G, onde já está sendo travada uma guerra fria entre EUA e China, o que poderá levar a guerra cibernética a um nível bem preocupante (mais do que já é).

Neste sentido, o nosso país criou o Comando de Defesa Cibernética (COMDCIBER) para, no âmbito do Ministério da Defesa, tentar proteger os setores estratégicos do país, tendo sido testado durante os grandes eventos realizados no Brasil como as Olimpíadas.

A seguir serão colocados alguns vídeos para que possam responder se o Brasil está preparado para a guerra cibernética, pois não é somente com COMDCIBER, mas também com os seus serviços de inteligência é que poderemos fazer frente a essa ameaça cibernética:






Você acha que os nossos programas estratégicos, como nuclear, espacial e nossas infraestruturas de críticas como energia, estão preparadas para um ataque como o ocorrido no Irã?