top of page

Choque de Titãs - China x Índia. Parte III.


Figura disponível em: https://www.deccanherald.com/sites/dh/files/styles/article_detail/public/articleimages/2022/12/14/clipboard-16-1171057-1670986524.jpg?itok=e3UXVq7O

A região do Indo-Pacífico é extremamente importante economicamente, bem como tem sido um palco para o surgimento de tensões políticas e crises militares, notadamente neste século. Ademais, dois gigantes - China e Índia - têm realizado um disputa geopolítica, com o intuito de tornarem-se os líderes na região, o que vem gerando um "guerra fria" velada entre eles ao redor do mundo.

Alguns analistas creem que é bem provável a ocorrência de um conflito entre esses dois Titãs, em que o principal motivo seria em se ter o controle da fonte de água proveniente dos Himalaias. Convêm mencionar que os dois principais rios chineses, o Amarelo e o Yangtzé, dependem das montanhas dos Himalaias - Tibete. Logo, os Himalaias seriam a grosso modo a cisterna chinesa.

Assim, um possível controle indiano da "cisterna" chinesa colocaria a China numa posição muito vulnerável, o que é inadmissível para Pequim.

Dessa forma, existe uma disputa fronteiriça entre indianos e chineses de cerca de 3.440 km, mal delimitados, que os levaram, desde 1962, a alguns conflitos armados.

A figura abaixo mostra as regiões disputadas, inclusive com o Paquistão. O Blog abordou a problemática da Caxemira no seu artigo "Problemática da Caxemira: tensão diária", de 14 de maio de 2020, que pode ser lido em https://www.atitoxavier.com/post/problemática-da-caxemira-tensão-diária.

Figura disponível em https://lh4.googleusercontent.com/TFsQyCFxvs5tOGo1_t-9HUggaa2or0SL11I-Y18UcEr63Pb28S5j435HYsebjP58js0Px6Hl99FIh9y3pFk3GDLhTAGXrdcLNCA5DMBfYQ-JuDTb700tH6u3arIZCRWPid1eIlxv

Dessa forma, devido a relevância do tema, o Blog em suas Seções China e Ásia, disponíveis respectivamente em https://www.atitoxavier.com/my-blog/categories/china e https://www.atitoxavier.com/my-blog/categories/%C3%A1sia, acompanha, por meio dos seus artigos, o que acontece no Indo-Pacífico. Assim, selecionamos os abaixo para o leitor, pois tratam mais especificamente da tensão sino-indiana:


- "Choque de Titãs - China x Índia", de 13 de abril de 2020, disponível em https://www.atitoxavier.com/post/choque-de-titãs-china-x-índia, falamos que o convívio entre a China e a Índia é marcado por disputas territoriais com a ocorrência de conflitos entre esses países em 1962, 1967 e 1987, além de novos episódios de crise militar em 2017. Apesar das relações diplomáticas e econômicas existentes, há uma tensão iminente entre eles, e com isso vivem uma "guerra fria"velada. Convém mencionar que são duas potências nucleares, com enormes exércitos, economias crescendo, e que tentam se firmar como líderes asiáticos. Nesse sentido, a Índia vem tentando realizar alianças militares e econômicas com países da região asiática, com o intuito de se contrapor a China, bem como evitar o aumento da área de influência chinesa nesse continente. Em que pese a tentativa de aproximação entre eles, a partir de 2018, o clima de desconfiança permanece. Não há no horizonte nenhuma solução para o problema fronteiriço.


- "Choque de Titãs - China x Índia. Parte II", de 10 de setembro de 2020, disponível em https://www.atitoxavier.com/post/choque-de-titãs-china-x-índia-parte-ii, abordamos o incidente ocorrido em junho de 2020 em Galwan Valley, em que ocorreu um embate entre as tropas terrestres da China e da Índia na região fronteiriça da Caxemira em disputa. No embate entre soldados desarmados ocorreram mortes violentas de ambos os lados. Relatos sobre o incidente informaram que tropas chinesas espancaram até a morte 20 soldados indianos. Fizemos várias análises desse embate, mas destacamos que não é interesse da China e nem da Índia na ocorrência de uma guerra como aconteceu no passado (1962, 1967 e 1987, além de uma crise militar em 2017), apesar de ambos os governos possuírem lideranças fortes, mas acreditamos que continuará a tensão entre esses Estados, bem como a "guerra fria" velada entre eles será mais explícita com disputa geopolítica por áreas de influências na Ásia, principalmente, na região do Índico. Para tanto, o governo chinês usará o seu projeto Belt and Road Iniciative, visando isolar o governo indiano na região. Além disso, a escalada da tensão aproximará o governo indiano de países que se opõem ao expansionismo chinês. O Blog também enxergou que era uma oportunidade para os EUA consolidarem uma aliança com a Índia que poderá ajudar na contenção à China.


Nesse cenário, em 09 de dezembro de 2022, houve um novo embate entre tropas, desarmadas, chinesas e indianas em Tawang que fica na região contestada de Arunachal - Pradesh, vide mapa acima, em que os soldados chineses foram repelidos pelos indianos, quando tentavam adentrar no território controlado pela Índia. Relembra-se que o último embate ocorreu em 2020 em outra região disputada entre esses países.

No contexto desse novo embate está inserido a repulsa chinesa da participação da Índia no QUAD, bem como à realização do exercício militar indo-estadunidense Yudh Abhyas em 19 de novembro deste ano a cerca de 100 km de distância da fronteira sino-indiana. Tal exercício é realizado anualmente, desde 2004, em território dos EUA e da Índia. O Ministério da Defesa indiano divulgou uma nota à imprensa sobre o exercício de 2022, que pode ser lido em https://pib.gov.in/PressReleasePage.aspx?PRID=1876038.

Portanto, a tentativa chinesa de entrar em território indiano ocorreu dias após o exercício militar entre a Índia e os EUA.

É digno de nota que o governo de Pequim realizou uma demonstração de força meses antes do Yudh Abhyas 2022, com o intuito de servir como dissuasão contra qualquer tentativa indiana de alterar o status quo da fronteira.

Nesse contexto, em que pese a China e a Índia participarem do BRICS e da Organização para Cooperação de Xangai, existe muita desconfiança entre eles, e em nossa visão, um movimento militar inadequado poderá escalar a tensão, que já é muito elevada, ocasionando um conflito armado que não é desejado pelas partes.

Tal desconfiança fica patente quando tais países têm realizado obras de infraestrutura, controle e monitoramento, como estradas, pistas de pouso e pontes, que acabam por servir de apoio ao campo militar, reforçando, assim, as suas reinvindicações fronteiriças.

Figura disponível em https://ichef.bbci.co.uk/news/976/cpsprodpb/4ED4/production/_113608102_india_china_border_map_v9_17_july_640_3x-nc.png.webp

Além disso, tem ocorrido uma certa militarização de ambas as partes em regiões próximas as que estão em disputa, o que eleva a crise militar no local.

Nesse diapasão, uma informação que chamou a atenção do Blog foi a proposta do Ministro da Defesa indiano, dezembro de 2022, em instalar cerca de 120 mísseis balísticos PRALAY nas proximidades das fronteiras com a China e o Paquistão.

Figura disponível em https://static.toiimg.com/thumb/imgsize-23456,msid-96575807,width-600,resizemode-4/96575807.jpg

O Blog é de opinião que o último embate provocado pelos chineses, dezembro de 2022, teve o propósito de: enviar uma mensagem a Índia que não tolera as suas alianças, testar a defesa e a prontidão indianas, e efetuar pressão no governo de Nova Déli em futuras negociações fronteiriças. Entretanto, mantemos a nossa opinião de que não há no horizonte nenhuma solução para o problema fronteiriço.

Outrossim, apesar de não ser do interesse desses países, acreditamos que um conflito armado como no passado não é improvável, bastando um erro de cálculo militar de uma das partes, ainda mais quando o nacionalismo indiano está cada vez mais fortalecido.

Qual a sua opinião? Acredita que poderá haver um conflito entre a China e a Índia?

Seguem alguns vídeos para ajudar em nossas análises:

Matéria de 03/01/2023:

Matéria de 18/08/2022:

Matéria de 30/11/2022:

Matéria de 13/12/2022:

Matéria de 13/12/2022:

Matéria de 20/12/2022:

Matéria de 26/12/2022:

Matéria de 06/05/2022 - recomendo ver esse vídeo pois explica bem a problemática da disputa fronteiriça entre a China e a Índia e que poderá levar os países a um novo conflito:


Comments


bottom of page