top of page

África, palco de disputas geopolíticas. Parte II.




Figura disponível em: https://afriagrimagazine.com/wp-c ontent/uploads/2021/03/Maps_Africa_map-960x504.jpg

O continente africano é extremamente importante para o nosso país, pois temos vários laços que nos unem, além da sua parte ocidental estar no Entorno Estratégico brasileiro.

Dessa forma, em nosso artigo "África, palco de disputas geopolíticas", disponível em https://www.atitoxavier.com/post/áfrica-palco-de-disputas-geopolíticas, afirmamos que a China está sendo o protagonista nesse continente, e um dos países que está perdendo a sua influência na África Ocidental é o Brasil, que era visto por alguns países dessa região como um "grande irmão" muito devido aos seus laços históricos e culturais, e que apesar das disputas geopolíticas por potências estrangeiras, visando aumentar a influência no continente africano, a África está em transição e poderá ser no final deste século um continente bem diferente do que conhecemos, tornando-se um local estratégico para o futuro.

Além do artigo acima, temos a Seção África com vários artigos em que abordamos o interesse de outros países na África. O leitor pode acessar esses artigos no link https://www.atitoxavier.com/my-blog/categories/%C3%A1frica.

Nesses artigos, informamos que os principais protagonistas no continente africano têm sido:

  • China: onde tem realizado grandes investimentos em infraestrutura dos países africanos, e acordo vários analistas tem empregado a diplomacia da armadilha do dívida, que foi abordado por nós no artigo "China e a diplomacia da armadilha da dívida", que pode ser acessado no link https://www.atitoxavier.com/post/china-e-a-diplomacia-da-armadilha-da-dívida. Além disso tem a intenção de implementar bases navais na África, e para tanto estaria em negociações com alguns países da África Oriental e Ocidental, tal assunto foi tratado por nós em "Entorno Estratégico Brasileiro: estabelecimento de bases chinesas e seus possíveis desdobramentos", disponível em https://www.atitoxavier.com/post/entorno-estratégico-brasileiro-estabelecimento-de-bases-chinesas-e-seus-possíveis-desdobramentos. Convém mencionar, que a China colocou a África em seu projeto da Nova Rota da Seda;

  • Índia: tem realizado vários acordos econômicos com países africanos tentando aumentar o seu comércio, bem como competindo com a China na África, devido a rivalidade crescente entre esses Estados;

  • Turquia: vem implementando acordos de cooperação militar com alguns países, visando tentar aumentar a sua influência no continente. Nesse sentido, destaca-se o apoio que deu ao governo de Tripoli, no conflito da Líbia, bem como o acordo de cooperação com a Guiné;

  • Rússia: Putin vem tentando recuperar a influência geopolítica que a ex-União Soviética tinha no continente durante a Guerra Fria. Com isso, observa-se uma aproximação com os países africanos, utilizando-se a sua indústria bélica. Em futuro próximo implementará uma base naval no Sudão, que pode ser analisada em nosso artigo "A nova base russa e a sua importância geopolítica", acessível em https://www.atitoxavier.com/post/a-nova-base-russa-e-a-sua-importância-geopolítica;

  • França: possui vários laços com as suas ex-colônias africanas, possuindo uma forte presença militar no continente e de meios navais operando na costa ocidental africana, como a Operação Corymbe. Em que pese, boa parte dos governos africanos ainda verem a França como potência imperialista na região, Macron vem tentando melhorar as relações com os Estados africanos;

  • Alemanha: vem tentando aumentar as suas relações com os países africanos, por meio de acordos comerciais, e demonstra esforços para que esses governos vejam a Alemanha como um parceiro. Para tanto o governo de Berlim vem se dedicando a alguns setores como de operações de paz, desenvolvimento, migração, cooperação com a sociedade civil;

  • União Europeia: enxerga a África de forma estratégica, devido a importância do mercado emergente, bem como a necessidade de se ter uma alternativa mais confiável de recebimento de petróleo, pois a região do Golfo Pérsico apresenta grandes momentos de instabilidade, em virtude da problemática iraniana;

  • Portugal: tenta aumentar o seu prestígio e influência geopolítica com a criação do Centro do Atlântico, a fim de ser o coordenador das operações de segurança marítima junto a costa ocidental africana. Vem recebendo apoio dos EUA;

  • Interesse de alguns países do Oriente Médio, como Israel, Arábia Saudita, Irã e Emirados Árabes Unidos;

  • EUA: tem dado maior importância geopolítica ao continente africano, em consequência do aumento da influência chinesa na África, que poderá interferir nos interesses estadunidenses na região. Além de Pequim estar ficando cada vez mais perto da zona de influência geopolítica dos EUA;

Em 20 de abril, o Comandante do UNITED STATES AFRICA COMMAND - AFRICOM, General STEPHEN J. TOWNSEND, fez um pronunciamento no Congresso estadunidense, no Committee on Armed Forces, em que abordou a importância da África para os interesses dos EUA, bem como as suas principais preocupações. O discurso, que sugerimos a leitura, encontra-se no Blog e pode ser acessado pelo link: https://de9abb8c-83aa-4859-a249-87cfa41264df.usrfiles.com/ugd/de9abb_0b09c8e731cf4dac8b5ff2a983ec955e.pdf. Seguem alguns pontos que destacamos:

  • importância econômica, militar e política da África para o governo de Washington, pois a prosperidade, segurança e a capacidade projetar poder em escala global dos EUA depende de uma África com acesso aberto e livre bem como segura;

  • é um continente vasto, cheio de oportunidades e desafios, pois possui uma grande área com capacidade para agricultura e recursos minerais. Ademais, a África possui 11 países que mais crescem no mundo, e que até 2050 um quarto da população mundial estará vivendo na África, o que aumentará os mercados. Por outro lado, os problemas de infraestrutura e o nível de pobreza das populações apresentam vários desafios econômicos e de segurança, com grande número de migração para fora do continente;

  • importância geográfica devido ao ponto focal do Mar Vermelho, e por ser um flanco meridional da OTAN;

  • palco de competição geopolítica com os seus principais rivais como a Rússia e a China;

  • que uma Força Tarefa Multinacional é boa opção para combater a pirataria na região do Golfo da Guiné.

Não podemos esquecer, ainda, que a China, Rússia e Índia tem implementado a Diplomacia da Vacina, visando incrementar os seus protagonismos na África. Tal assunto foi abordado por nós na matéria "A Diplomacia da Vacina e os seus impactos geopolíticos - Pandemia parte 7", disponível em https://www.atitoxavier.com/post/a-diplomacia-da-vacina-e-os-seus-impactos-geopolíticos-pandemia-parte-7.

É digno de nota que vários países têm investido em tecnologias agrárias de produção de alimentos em território africano, notadamente a China e Israel, o que poderá no futuro transformá-lo em forte competidor do Brasil no agronegócio.

O Blog é de opinião de que, infelizmente, o Brasil está perdendo cada vez a sua influência geopolítica no continente africano, sejam pelas suas políticas externas equivocadas, sejam pelas as suas incapacidades econômica e militar de aumentar a sua presença naquela região.

Nesse sentido, ainda acreditamos que uma parceria entre o Brasil e Índia poderia aumentar as nossas chances de incrementarmos ou recuperarmos a nossa importância na África, e assim ratificamos a nossa análise realizada no artigo "Índia: aliado estratégico para o Brasil no período de disputa geopolítica entre a China e os EUA, acessível em https://www.atitoxavier.com/post/índia-aliado-estratégico-para-o-brasil-no-período-de-disputa-geopolítica-entre-a-china-e-os-eua, em que afirmamos que tal aliança poderia ajudar a contrabalançar a influência chinesa na África e nas demais regiões estratégicas para esses países, pois a região do Indo-Pacífico é primordial para a Índia, bem como a região da costa ocidental africana e a América do Sul são fundamentais para o Brasil.

Ademais, uma aproximação com o AFRICOM, no tocante ao estabelecimento de uma Força-Tarefa Marítima Multinacional para combater a pirataria no Golfo da Guiné, poderá ser uma oportunidade para o Brasil aumentar a sua influência geopolítica, em que poderia se oferecer para liderar essa Força. Ressalta-se que em pesquisa realizada pelo Blog, mais de 70% dos nossos leitores eram favoráveis a isso.

Figura disponível em https://www.atitoxavier.com/post/resultado-da-nossa-segunda-enquete-geopol%C3%ADtica

Conforme apresentado nessa matéria, estamos vendo o continente africano ganhando mais relevância no cenário internacional, sendo um novo palco de disputas pelas grandes potências, só que apresentando impacto no Brasil. Outrossim veremos uma África pujante, que poderá ser um competidor do Brasil nos mercados de alimentos.

Nesse diapasão acreditamos que o nosso país deve ter uma postura mais propositiva em relação ao continente africano, com parcerias sérias em vários setores, sob o risco de perdermos a oportunidade de construirmos um país próspero. Não pensar na África de forma estratégica é desperdiçar oportunidades.

Sendo assim, podemos inferir que a África é estratégica para o Brasil, mas atualmente não podemos dizer o oposto.

Será que mais uma vez ficaremos de costas para o Atlântico Sul?

Qual é a sua opinião sobre o tema?

Seguem alguns vídeos para ajudar nas nossas análises:

Matéria de 08/03/2019:

Matéria de 01/04/2020:

Matéria de 19/03/2021:

Matéria de 30/01/2021:

Matéria de 09/04/2020:

Matéria de 25/07/2018:

Matéria de 08/07/2016:

Matéria de 04/09/2018:

Matéria de 23/10/2019:

Matéria de 10/10/2018:




Comments


bottom of page